Mulheres Equilibristas – Vida de mãe e profissional

Por Carlos Mânica, em 6 de novembro de 2018

Hoje, nós mulheres, acumulamos várias conquistas e temos cada vez mais confiança de que podemos ser bem-sucedidas na vida profissional e na vida pessoal.

Entretanto, ainda sentimos culpa por acharmos que não damos conta de tudo, especialmente no que diz respeito ao tradicional papel feminino.

Falta de tempo para curtir a família e sensação constante de débito com nossos filhos são fantasmas que atrapalham nossos pensamentos e muitas vezes nos impedem de estar de corpo e alma tanto em casa como em nosso trabalho.

Somos verdadeiras mulheres equilibristas, que enfrentam diariamente o dilema de conciliação de papeis. Queremos mais qualidade na vida pessoal e ao mesmo tempo ter uma carreira profissional fantástica.

Essas inquietações nos proporcionam muitos questionamentos quanto as nossas escolhas de vida. Casar, juntar ou viver muito bem só? Ter ou não filhos? Prestar concurso público para ter estabilidade ou empreender?  Trabalhar fora ou ser mãe em tempo integral, sair de carro ou de bike? E por aí vai.

O essencial é nos conscientizarmos que escolhas fazem parte da vida e que muitas vezes são difíceis e implicam perder de um lado para ganhar de outro. Por isso, é sempre bom se perguntar com sinceridade “qual é a minha verdade?”

É fato que cada vez mais cresce a pressão para que as mulheres acreditem que precisam escolher entre uma carreira profissional de sucesso ou maternidade.

Penso que essa crença não faz sentido, pois com equilíbrio e escolhas, ambas podem andar juntas e felizes.

Cada vez mais, o que se percebe é que as mulheres querem é ter a liberdade de fazer o que desejam para sua vida. E o empreendedorismo está cada vez mais presente nessas escolhas, por que empreender é transformar, gerar movimento. E isso é um propósito que tem muito a ver com a maternidade, trazer algo novo à vida.

Para muitas de nós, a realização profissional é tão importante quanto à maternidade. Cuidar da carreira também é uma forma de cuidar dos filhos. Você já pensou nisso?

Às vezes confundimos o significado da palavra egoísmo. Atenção mães! Cuidar da gente em primeiro lugar não é uma atitude egoísta, ao contrário, nos permite que tenhamos mais condições de dar apoio, sermos carinhosas e nos divertirmos com quem amamos. É aquela orientação de colocar a máscara de oxigênio primeiro em si e depois na criança, caso ocorra pane no avião.

O que queremos dizer é que se você está bem, sentindo-se produtiva, alcançando vitórias pessoais, o seu relacionamento com os filhos e com o parceiro sai ganhando. Então não se culpe, pense como você está se sentindo agora na sua vida no papel de mulher, mãe, profissional e esposa.

Nós mulheres, mães e empreendedoras estamos mostrando que há novas formas de alcançar afeto e sucesso.

O que importa é estarmos inteiras em tudo que fazemos. A qualidade de tempo com os filhos importa mais que a quantidade de tempo presente. Se você está feliz com suas decisões, certamente vai refletir isso para sua família.

No fundo do nosso coração, sabemos o que é melhor para nós e nossa família, dúvidas sempre surgirão, mas o maior sinalizador é ouvir o que nossos filhos dizem e considerar esses sentimentos. Perfeição não existe e saber conviver com isso é um grande alívio.

Então, o principal de tudo é o equilíbrio, eu não me sentiria realizada sem minha família, mas sem minhas conquistas profissionais também não.  Para mim, é muito gratificante a vida de mulher equilibrista.

Francine Medeiros Fernandes

Tags:
Carlos Mânica Carlos Mânica