Não é só no empreendedorismo que as mulheres estão se destacando

Por Carlos Mânica, em 24 de agosto de 2018

Na foto: As ministras Cármen Lúcia (STF), Rosa Weber (TSE) e Laurita Vaz (STJ); a procuradora-geral da República, Raquel Dodge; e a advogada-geral da União, Grace Mendonça

A posse da ministra Rosa Weber como nova presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fez com que as mulheres passassem a assumir, pela primeira vez na história, a chefia da maioria dos tribunais superiores do país.

Caberá a Rosa comandar o processo eleitoral de outubro, no qual serão definidos o novo presidente da República, governadores, senadores e deputados (federais, estaduais e distritais).

Além do TSE, as mulheres ocupam a presidência de outros dois tribunais superiores: Cármen Lúcia preside o Supremo Tribunal Federal (STF) e Laurita Vaz preside o Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Os outros dois tribunais superiores são presididos por homens: o Tribunal Superior do Trabalho (TST) é comandando pelo ministro João Batista Brito Pereira e o Superior Tribunal Militar (STM), pelo ministro José Coêlho Ferreira.

Além dos tribunais, as mulheres também ocupam o comando de outros órgãos que atuam diretamente no Poder Judiciário: Raquel Dodge é a atual procuradora-geral da República, e Grace Mendonça, ministra da Advocacia-Geral da União (AGU).

Imagem: Reprodução

Carlos Mânica Carlos Mânica